segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

ELIS & NARA.



Semana de datas emblemáticas: aniversário de 70 anos de Nara Lerão e de 30 anos da morte de Elis Regina.


Elis Regina, eu a vi trabalhar em 1971 e 72. Era uma “música”, musicista, sei lá; era muito boa e consciente do que fazia. Ela comandava o conjunto, à época, com César Camargo, então seu companheiro, Luizão, Luís Cláudio Ramos, só craque, mas todos só faziam o que ela determinava. Faleceu em 19 de janeiro de 1982. Meu filho Delmiro tinha 10 meses de idade e estávamos em minha casa em Jacaraipe com dois convidados que, ao saberem da notícia, potencializaram tanta a dor da perda que choraram tanto, tanto, que o pranto foi maior que ao do bebê que não conseguia dormir: eram eles Aprígio Lyrio e Ester Mazzi.


Esta semana também é de lembrança de outra grande intérprete da música popular brasileira: Nara Leão. Ela faria 70 anos dia 19, a mesma data em que Elis se foi. Além dessa coincidência há outro elemento que as une: Ronaldo Bôscoli.

Um dos maiores poetas da Bossa Nova namorou (e amou secretamente até o fim da vida, como especulam) Nara Leão e, em outra época, foi casado com Elis Regina. Estou viajando com o livro A Bossa do Lobo – Ronaldo Bôscoli”, uma biografia de Denilson Monteiro, um extraordinário pesquisador, também responsável pela biografia de Tim Maia, “Vale Tudo”, depois escrita por Nelson Motta. Nara Leão e Elis Regina, fazem muita falta.


Já o bad guy, Ronaldo Bôscoli morreu, aos 66 anos, em 1994,  portanto sofreu com a morte de Elis, morta em 1982, aos 36 anos e com Nara, morta aos 47 anos, em 1989.

Creio não haver 2 cantoras como Nara Leão e Elis Regina, e melhor somar uma terceira, Elizeteh Cardoso, que tenham reunido tanto registro de compositores da história da música popular brasileira. As discografias das três certamente contêm o que há de mais representativo em nossa história.


Nesta semana também temos os aniversários de Cedar Walton (17), um dos meus pianistas favoritos, o sempre atento baterista Al Foster (18), o melancólico e inesquecível Ray Anthony (20), do novato intrigante Jason Moran ( 21), também de 10 anos de saudades da original Peggy Lee ( 21) , e,  aniversário do genial J.J. Johnson ( 22) .


Melhor encerrar com a suavidade de Nara. Uma boa semana.



4 comentários:

  1. Boa lembrança, Coimbra, apesar de penosa. Vi uma declaração do filho de Elis que a morte prematura da mãe teve um ganho artístico, mas, por sua vez a perda pessoal...
    Sou fã do Cedar Walton também.
    Feliz Ano Novo, mesmo meio tarde.
    Abração
    Ernani Salles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Ernani,
      Bom que vc voltou.
      Um grande abraço

      Excluir
  2. Bela e merecida lembrança sua destas fantásticas cantoras. Mas há uma outra, além da Elizeth, que para mim faz parte do time: Nana Caymmi, ainda ativa e fazendo shows, pena que cada vez mais raros. Abraços, Elisa

    ResponderExcluir
  3. Deus, quanta coisa prematura. Igual à Amy.
    Beijão.

    ResponderExcluir